© 2019 Aceká Marketing Digital

  • Facebook - White Circle
  • LinkedIn - White Circle
Please reload

Posts Recentes

#ClienteACK: BIMachine no CIO Brasil

October 8, 2019

1/4
Please reload

Posts Em Destaque

Como garantir a melhor experiência do usuário?

Numa escala Chico Buarque, em que nível está seu cliente

 

 hoje? Se você ainda não deu bola para o termo da vez - experiência do usuário -, lamento, mas você perdeu. Perdeu mercado, perdeu vendas, perdeu a chance de surfar uma onda importante que vai hidratar os negócios em todos os segmentos daqui para a frente.

 

Ou melhor: de ontem para a frente, pois o User Xperience já dominou as relações cliente/empresa há um bom tempo.

 

Basta ver um estudo da Dimensional Research que mostra que 81% das pessoas que vivenciaram experiências ruins com alguma marca levaram sua opinião negativa adiante e denegriram a dita cuja. E 96% garantem que não serão fiéis jamais a empresas que as desgostem.

 

Mas o que o consumidor define como uma experiência ruim? O Marketing tem várias explicações para isso. Dá um Google e vai estar tudo lá. Mas se você quiser a resposta direta, vou resumir aqui: tudo o que não agrada o cliente no que ele quer, do jeito que ele quer, na hora que ele quer.

 

Sim, clientes são mimados. Eles aprenderam que, se não receberem da empresa exatamente o que pediram, podem contar sobre seu desgosto a seus pares, e estes repassarão a informação, gerando um barulho infernal que renderá muitos pontos a menos para o fornecedor malogrado.

 

E por “exatamente o que pediram” não se entende só o que está na ordem de serviço, no pedido retirado pelo vendedor: está o que o cliente tem em mente. Você disse para ele que o software o ajudaria a gerenciar todos os departamentos da empresa, mas alguém no Financeiro não foi suficientemente treinado e teve dificuldade em usar a ferramenta, apelando para o Excel ou deixando furo em algum processo? Sua culpa. Má experiência do cliente. Diz que – diz que negativo sobre a sua marca mercado afora.

 

Você vendeu um serviço que melhoraria tal e tal área da vida do cliente, mas ele imaginava que um terceiro setor estaria englobado e não ficou claro para ele a exceção? Ele vai reclamar, e não vai ser só para você: vai ser para toda a rede dele.

 

Não importa o quão árduo você ache que o mercado tenha ficado: ele ficou mesmo e agora é correr para se tornar excelente. Isso sempre foi importante, mas agora é vital. Ou você entrega ao usuário uma experiência memorável, ou ele se encarregará de dissuadir outros a se tornarem seus clientes. Tão simples quanto duro assim.

 

Como chegar a uma boa experiência do usuário? De novo, se você buscar no Google, dicas não vão faltar. Mas as que valem são estas duas aqui:

 

- Venda soluções reais para demandas reais. Não perca tempo reinventando a roda, o que agrada é aquilo que resolve algo para alguém. Se seu cliente se sentir confortável, produtivo, eficiente por causa do que você entregou a ele, a boa experiência estará quase garantida. O resto fica por conta das próximas duas dicas.  

 

- Venda produtos e serviços que o cliente consiga usar ao máximo. A subutilização de coisas adquiridas é um prejuízo que, apesar de não ser sempre calculado pelo cliente, o atinge e prejudica, especialmente em relação à realização de novas compras. Se ele comprou, ele deve ser capaz de aproveitar 100%, e para isso o produto ou serviço deve ser fácil, atrativo, amigável e vir acompanhado de uma venda clara, transparente, sem segredos ou letras miúdas.

 

- Atenda muito bem. Se for preciso escolher só uma chave da boa experiência do cliente, o atendimento fica com ela, com certeza. Atender bem começa no pré-venda, etapa em que o consumidor precisa se interessar pela marca e ser conquistado, passa pela venda, que tem que ser cordial e extremamente clara, e culmina no pós-venda, quando o usuário requererá atenção para usufruir do que adquiriu de forma completa e confortável. Não importa tanto se ele tiver um problema com seu produto ou serviço: importa a maneira e a velocidade com que você o resolverá.

 

UX não é termo da moda, é realidade. E não vai ter passo atrás: de agora em diante, isso só aumenta. O consumidor manda porque tem o poder, e às marcas cabe lidar com isso garantindo sua posição de fornecedoras de alto valor agregado. Ou isso, ou contar os cacos depois da queda.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags